Saúde e IVG

Testes de gravidez

Os testes de gravidez podem ser adquiridos numa farmácia ou parafarmácia, ou mesmo online. São rápidos e fiáveis e podem ser feitos em casa. Doseiam a HCG (Hormona Gonadotrofina Coriónica) na urina, que é segregada precocemente na gravidez.

 

Deve sempre verificar a validade na embalagem. De preferência, utilize a urina da manhã (tem maior concentração de HCG ). Também se aconselha a não ingerir muitos líquidos na noite antes ou na manhã do teste. Utilize um recipiente esterilizado ou muito bem lavado e seco e siga as instruções do teste que adquiriu.

 

De um modo geral, o resultado do teste leva 3 a 5 minutos. Os testes atuais detetam níveis muito baixos de HCG e por isso alguns podem ser utilizados 5 dias antes da falta menstrual. Alguns conseguem também relacionar o valor da HCG com o número de semanas desde a conceção.

 

Se comprados em Farmácia/Parafarmácias, os preços oscilam entre os 8 e os 15 euros. O preço online pode ser menor mas deve confirmar-se que os testes têm aprovação do Infarmed (IVD) e selo ou marcação da CE.

 

Nota importante: todo o teste de gravidez positivo deve implicar a observação médica da grávida para confirmação da gravidez e do seu estado de saúde.

O que fazer?

Se fez um teste de gravidez que deu positivo e ainda não tem a certeza do que fazer ou com quem falar, pode contactar a nossa linha de apoio para mais informações, de forma totalmente confidencial: 800 910 971.

 

Após um teste de gravidez positivo é importante cuidar da sua saúde, pelo que é aconselhável consultar o seu médico de família.

 

Qualquer mulher que se encontre grávida tem direito a ser seguida no Serviço Nacional de Saúde. No caso de documentação irregular por parte da grávida, mediante algumas diligências que incluem a comprovação da gravidez por parte do médico, poderá também ser requerido o acompanhamento com isenção de taxas moderadoras.

 

Para mais informações poderá consultar:

https://www.sns.gov.pt/sns-saude-mais/gravidez-e-sexualidade/

http://www.saudereprodutiva.dgs.pt/

Métodos de IVG

Variam conforme tempo de gestação e protocolos de cada centro hospitalar.

 

É obrigatório efectuar uma ecografia prévia para:

  • datar gravidez
  • confirmar se o feto está vivo
  • confirmar nº de fetos
  • verificar se existem anomalias
  • excluir gravidez ectópica

 

Os métodos podem ser por via medicamentosa ou por via cirúrgica:

 

Medicamentoso ou Químico

Em Portugal a Direção Geral de Saúde preconiza este método até à 9ª semana de gravidez.

 

Esquema mais usado em Portugal no 1º trimestre:

  • Mifepristone (RU 486), 1 comprimido oral de 200mg tomado presencialmente no serviço de saúde
  • Misoprostol (Cytotec), 4 comprimidos de 200mg tomados intravaginalmente em casa. Considera-se este método mais eficaz que o oral.

 

Quando não ocorre a expulsão completa do feto, será necessário recorrer a um método cirúrgico.

 

Esquema mais usado em Portugal no 2º trimestre:

  • Prostaglandina
  • Ocitocina

 

 

 

Cirúrgico

Em Portugal a Direção Geral de Saúde preconiza este método até à 10ª semana de gravidez.

 

Esquema mais usado em Portugal no 1º trimestre:

  • Curetagem (raspagem)
  • Aspiração

 

Envolvem anestesia local ou geral (com riscos raros de alergia ligeira a grave com insuficiência respiratória e morte)

Riscos / complicações da IVG

Qualquer intervenção médica acarreta riscos / complicações.

No caso da IVG os mais frequentemente registados são:

 

  • Dor
  • Hemorragia
  • Náuseas, vómitos, diarreia, febre
  • Perfuração uterina, principalmente no 2º trimestre e se existirem cicatrizes uterinas prévias (cesariana, por exemplo)
  • Infecção
  • Alergia
  • Risco de morte materna (actualmente quase só por acidente anestésico; 1/100.000; duplica a cada 2 semanas mais)
  • Infertilidade / esterilidade
  • Gravidez ectópica
  • Risco parto pré-termo
  • Complicações psicológicas/psiquiátricas

 

Dados IVG em Portugal

A evolução do número de IVGs em Portugal desde a aprovação da respetiva despenalização poderá ser consultada e analisada nos vários relatórios da Direção Geral de Saúde, disponíveis em: http://www.saudereprodutiva.dgs.pt/publicacoes/interrupcao-da-gravidez.aspx